Páginas

Projeto piloto do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência contra a Juventude Negra é lançado esta quinta-feira(27) em Alagoas.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012


O Governo Federal, por meio da Secretaria Nacional de Juventude, da Secretaria-Geral da Presidência e da Secretaria de Políticas de Igualdade Racial (Seppir), lançaram nesta quinta-feira (27), em Alagoas, o projeto piloto do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência contra a Juventude Negra. A cerimônia de lançamento será às 11h no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso.
De acordo com a secretária nacional de Juventude, Severine Macedo, a primeira etapa do plano será executada em Maceió, pelo fato de ter sido a primeira cidade a abrigar o Programa Brasil Mais seguro – Alagoas. “Não adianta discutir ação social sem promover a segurança cidadã. Temos que pensar de forma integralizada, ou seja, promover a inclusão social com a garantia de direitos”.
O foco das ações do programa será a juventude negra. Segundo dados levantados em 2010, de 49.632 mortes no país, 53% foram contra jovens com idades entre 15 e 29 anos e 70% deste percentual tinha o negro como vítima.
O secretário-executivo da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República, Mário Theodoro, ressaltou que o plano se propõe a reverter os altos índices de homicídios contra jovens. Entre os programas - que já estão em execução no país - e ganharão força com o plano estão o estímulo à economia solidária; qualificação no Projovem Trabalhador; além de escola em tempo integral, Pontos de Cultura, usinas culturais, entre outros projetos que já estão sendo desenvolvidos com êxito pelas comunidades beneficiadas.
“Trata-se de uma ação sincronizada dos governos, envolvendo os poderes Judiciário e Legislativo, em uma experiência piloto para resolver um problema que atinge o país como um todo”, reforçou Mário Theodoro. Segundo ele, o governo federal parte do pressuposto que não adianta apenas matricular o jovem na escola se ele não tiver ingresso no mercado de trabalho e acesso a direitos que, a curto e médio prazo, possam culminar na reversão dos índices de criminalidade que atingem a juventude, sobretudo a negra.

  
Estudantes constrangem a direita no lançamento

Durante o lançamento o Plano, o governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) passou por momento bastante constrangedor durante o lançamento. Vilela foi surpreendido por vaias enquanto assinava o documento, numa solenidade ocorrida no Centro de Convenções, em Jaraguá.
Com o auditório lotado, o governador recebeu os ministros Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República, Luiza Bairros, da Política de Promoção da Igualdade Racial, Brizola Neto, do Trabalho e do Emprego, e José Eduardo Cardozo, da Justiça, além de Regina Miki.
Antes de iniciar a apresentação do novo programa, Vilela ouviu vaias – ainda que tímidas – vindas do auditório. No entanto, o momento delicado foi registrado quando o governador assinava o documento de adesão. Representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) de Alagoas iniciaram os gritos de “Violência na rua. Téo, a culpa é sua!”, seguidos de vaias. Foi neste momento que Vilela passou por uma situação bastante constrangedora, retornando a mesa em que se encontravam as autoridades vindas de Brasília.


1 comentários:

Jama Libya disse...

A meGaLOBO RACISMO? A violência do preconceito racial no Brasil personagem (Uma negra degradada pedinte com imagem horrenda destorcida e bosalizada é a Adelaide do Programa Zorra Total, Rede Globo do ator Rodrigo Sant’Anna? Ele para a Globo e aos judeus é engraçado, mas é desgraça para nós negros afros indígenas descendentes, se nossas crianças não tivessem sendo chamadas de Adelaidinha ou filha, neta e sobrinha da ADELAIDE no pior dos sentidos, é BULLIYING infeliz e cruel criado nos laboratórios racistas do PROJAC (abrev. de Projeto Jacarepaguá, como é conhecida a Central Globo de Produção) é o centro de produção da Rede Globo que é dominado pelos judeus Arnaldo Jabor, Luciano Huck,Tiago Leifert, Pedro Bial, William Waack, William Bonner, Mônica Waldvogel, Sandra Annenberg Wolf Maya, Daniel Filho e o poderoso Ali Kamel diretor chefe responsável e autor do livro Best seller o manual segregador (A Bíblia do racismo,que ironicamente tem por titulo NÃO SOMOS RACISTA baseado e num monte de inverdades e teses racistas contra os negros afro-decendentes brasileiros) E por Maurício Sherman Nisenbaum(que Grande Otelo, Jamelão e Luis Carlos da Vila chamavam o de racista porque este e o Judeu racista Adolfo Block dono Manchete discriminavam os negros)responsável dirige o humorístico Zorra Total Foi o responsável pela criação do programa e dos programas infantis apresentados por Xuxa e Angélica, apresentadoras descobertas e lançadas por ele no seu pré-conceitos de padrão de beleza e qualidade da Manchete TV dominada por judeus,este BULLIYING NEGLIGENTE PERVERSO que nem ADOLF HITLER fez aos judeus mas os judeusionistas da TV GLOBO faz para a população negra afro-descendente brasileira isto ocorre em todo lugar do Brasil para nós não tem graça, esta desgraça de Humor,que humilha crianças é desumano para qualquer sexo, cor, raça, religião, nacionalidade etc.o pior de tudo esta degradação racista constrangedora cruel é patrocinada e apoiada por o Sr Ali KAMEL (marido da judia Patrícia Kogut jornalista do GLOBO que liderou dezenas de judeus artistas intelectuais e empresários dos 113 nomes(Contra as contra raciais) com o Senador DemóstenesTorres que foi cassado por corrupção) TV Globo esta mesma que fez anuncio constante do programa (27ª C.E. arrecada mais de R$ 10,milhões reais de CENTARROS para esmola da farsa e iludir enganando escondendo a divida ao BNDES de mais de 3 bilhões dollares dinheiro publico do Brasil ) que tem com o título ‘A Esperança é o que nos Move’, o show do “Criança Esperança” de 2012 celebrará a formação da identidade brasileira a partir da mistura de diferentes etnias) e comete o Genocídio racista imoral contra a maior parte do povo brasileiro é lamentável que os judeus se divirtam com humor e debochem do verdadeiro holocausto afro-indigena brasileiro é lamentavel que o Judeu Sergio Groisman em seu Programa Altas Horas e assim no Programa Encontro com a judia Fátima Bernardes riem e se divertem. (A atriz judia Samantha Schmütz em papel de criança no apoteótico deste estereótipo desleal e cruel se amedronta diante aquela mulher extremem ente feia) para nós negros afros brasileiros a Rede GLOBO promove incentivo preconceito raciais que humilha e choca o povo brasileiro.Taryk Al Jamahiriya. Afro-indigena brasileira da Organização Negra Nacional Quilombo - ONNQ 20/11/1970 – REQBRA Revolução Quilombolivariana do Brasil quilombonnq@bol.com.br

 
UNE Combate ao Racismo | by Marcelo Coelho ©2011