Páginas

Em sete anos, mais jovens negros entraram nas universidades do que nos últimos vinte anos

segunda-feira, 5 de julho de 2010


O governo Lula implantou o sistema de cotas para negros e pardos nas universidades federais brasileiras em 2004, na Universidade de Brasília (UnB). Na época, menos de 2% do percentual de estudantes universitários brasileiros eram negros, apesar de representarem mais de 46% da população brasileira. Hoje, já são quase um milhão de estudantes negros em cursos superiores e 17 universidades federais mantém sistema de acesso por meio de cotas.
Pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) indica que, durante os últimos sete anos, mais jovens negros ingressaram em universidades públicas do que nos vinte anos anteriores. Para o militante do movimento negro, Paulo Ramos, “as oportunidades para a juventude negra foram ampliadas durante o governo Lula em função das políticas sociais”.
Em encontro com negros e negras do PT, em Brasília, a candidata do oPT, Dilma Rousseff, defendeu a manutenção das políticas afirmativas e de cotas. Segundo ela, nos últimos anos o governo teve grandes avanços nesse campo, mas é preciso fazer mais. “O que nos une é o compromisso de que vamos continuar fazendo políticas afirmativas e de cotas, queiram eles ou não queiram”, afirmou Dilma.
Cotas no ProUni
Só no ano passado, com a política de cotas e com o Programa Universidade para Todos (ProUni), aumentou em quase 50 mil o número de alunos negros nas universidades brasileiras. No primeiro semestre de 2009, houve um acréscimo de 5% no número de estudantes negros nas instituições de ensino superior.
Em sua primeira edição, no ano de 2004, o ProUni foi o principal responsável pela inserção maciça dos afrodescendentes, ao oferecer 46 mil bolsas de estudo para o sistema de cotas, o que significou 41,5% das 112 mil vagas disponibilizadas pelo programa.
O ex-diretor do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Carlos Henrique Araújo, defende o sistema de cotas, tanto nas universidades públicas, quanto nas universidades privadas, por meio de isenção fiscal. “O fenômeno de exclusão educacional atinge de maneira muito mais forte o aluno negro. A peneira é fechada para todos e muito mais fechada e seletiva para os alunos negros", revela o diretor.
Depois da universidade
Os estudantes que entraram na universidade por ação afirmativa têm direito, desde 2009, a 600 bolsas oferecidas pelo Programa Institucional de Iniciação Científica (Pibic), no valor de R$ 360 por mês, pagos durante um ano. Em maio, esse número foi ampliado para 800 bolsas.
Além disso, 250 alunos oriundos do ProUni e de outras ações afirmativas serão beneficiados pelo programa para concessão de bolsas de mestrado e doutorado para apoiar a produção científica de estudantes negros. O programa foi criado este ano e as bolsas serão distribuídas neste semestre.

6 comentários:

Marcelo Victorino disse...

Como pardo, me envergonho dessa política. Acredito no mérito mais do que na esmola. Não vejo razões para que eu mereça uma cota na universidade só porque um trisavô ou tetravô que eu nem conheci apanhou num tronco.

Laguardia disse...

Nós, brasileiros patriotas, desejamos um Brasil livre de corrupção. Um Brasil em que os nossos políticos trabalhem dentro de princípios éticos e de honestidade.

Desejamos um Brasil com justiça social para todos. Por este motivo não é possível votar pela continuidade do governo mais demagogo e mais corrupto deste país.

Votar em Dilma é votar no retrocesso. É votar na continuidade da mentira, da demagogia, da roubalheira, dos mensalões.

Diga SIM a um país soberano e ético que trate seus cidadão com dignidade. Diga NÃO a Dilma Rousseff.

Anônimo disse...

acredito eu que esta lei de preferencia pra negros é uma lei retrogada e de lamentavel preconceito porque ainda no Brasil existe muito preconceito não sabem voçes que desta forma não existe igualdade entre as pessoas e desta forma não demonstram igualdade de forma nenhuma então sou negra bem negra e tenho dois filhos brancos
e eles precisaram provar que são negros no sangue enquanto existir
preconceito no Brasil tera que existir leis desta forma onde dão preferencias pra negros, gente tudo isso é racismo entendam hoej em dia brancos tem filhos negros e
negros tem filhos Brancos a igualdade começa pór aí me casei com um branco e acredito que o unico preconceito vem do própio negro que não se aceita e precisa de uma esmola dessas

Anônimo disse...

sou negro e na minha faculdade
passei com grande desempenho por esforço própio sem precisar de preferencias e na minha faculdade
existe dois rapazes negros que conheço que desfazem de mim que sou negro e preferem amizades com pessoas brancas e prefere namorar com brancas na minha faculdade tentei falar com ele e ele disse na minha cara que não aceita a sua
cor e não aceita amigos negros ele
disse que ele mesmo não gosta de sua cor e se pudesse seria branco
o outro já se aceita um pouco mais
mais não gosta de namorar com negras e disse que tem nojo, que horror não consigo ententer como o preconceito pode partir primeiro da própia parte deles não entendem
que a cor não diferencia as pessoas o que diferencia é a essencia das pessoas o que existe dentro das pessoas de bom ou de mal conheço muitos brancos aqui memso na minha faculdade que me tratam muito melhor do que os própios negros existentes aqui

Anônimo disse...

sou negro e os meus país os dois são brancos e o meu avo por parte de pai é negro e ele me ensinou tudo o que sei dessa vida, que respeito é tudo que muitas pessoas
já respeitavam ele na época antiga
onde o preconceito por negros era muito maior e ele me dizia que onde ia fazia bons amigos e conseguia boas oportunidades na vida e graças a sua educação que recebia era muito bem tratado por negros e brancos ele me ensinou seja educado saiba entrar e sair de um lugar e me disse ainda mais
que saiba entrar e sair de um local sem ter prejuizo para ti sendo educado a gente que faz o hambiente sabendo entrar e sair de um local sabiás palavras do meu avo lindo e perfeito ele soube me ensinar tudo direitinho

Anônimo disse...

sou branca e o meu filho é loiro
lindo filho de um negro ele não acreditou em mim adoro negros
não me relaciono com brancos não tenho preconceito contra brancos mas não sou chegada prefiro um chocolate mesmo parece que derrete na boca mas depois que o pai do meu filho eme abandonou dizendo que ele era muito branco o preconceito surgiu da parte dele mesmo ele disse que preferia as loiras pra se relacionar mas acho que ele não acreditou que se relacionando com uma branca poderia ter um filho loiro acho que ele acreditou que sendo negros
só teria filhso negros ele é muito lindo e o meu filho também é muito
lindo tem a os labios grossos como o dele os olhos como o dele ele é muito lindo só não puxou a cor dele e fui abandonada sem ao menos ele registrar a criança agora que
fizemos o dna e deu positivo foi obrigado a registrar a criança quer paticipar mais da vida da criança agora estou chateada e não aceito mais ele na nossa vida inutil ass linda mas chateada

 
UNE Combate ao Racismo | by Marcelo Coelho ©2011